Tastes like you, only sweeter

You only live once.
At a time.

My yard

O problema não é ela, o problema não é você, o problema é o que você é quando está com ela.

Comigo você é despojado, é feliz, é natural, dá longas risadas despreocupadas, fala qualquer besteira que vem à mente, você brinca, você olha tão profundo nos meus olhos que eu me sinto nua. Desprotegida, transparente. Com toda a minha guarda baixa. E isso é tão profundo que dá choque, dá uma dor no coração.

E eu sei que você sabe, que comigo seria muito melhor, mas não tem porque, não precisamos arriscar nada. Porque no nosso caso, a caça é melhor do que pegar a presa. O sentimento de que algo nos impede de qualquer coisa faz você me olhar com mais vontade ainda. Nenhum contato real seria melhor do que essa ilusão.

Mas tá na cara que você queria tentar alguma coisa, claro. Há quanto tempo você não ri assim, tranquilamente com ela? Há quanto tempo você tenta explicar as coisas e ela te corta, sem paciência, com algum comentário do tipo: “não entendi, mas ok”. Ok nada! Você queria que ela entendesse! E você sabe que eu entenderia. Não pra te fazer feliz, mas só pra olhar a sua boca mexendo enquanto você fala, pra olhar pro contorno dos seus olhos, pra analisar você bem de perto, sentir seu perfume. Eu quero prestar atenção em você. E eu sei que você quer que eu preste atenção em você.

Você gosta de estar perto de mim, você gosta de chamar minha atenção. “Olhe para mim! Eu estou aqui! Bem perto e ao mesmo tempo bem longe!”. Você conversa comigo enquanto me abraça, de onde sua mão está posicionada, o calor emana por todo meu corpo em ondas de loucura e choque, muito choque.

E toda vez que eu falo com você ou te vejo, é como se estivéssemos firmando um pacto silencioso. Eu sou sua, você é meu, tudo em pensamento. Na grande realidade, tudo isso faz parte de uma fantasia que eu criei. Mas eu não sei explicar, eu sei que você participa dela e que esse roteiro é co-escrito. Não sei se é algo sobrenatural ou apenas um devaneio, mas acredito que você esteja na mesma página dessa história comigo.

Agora, seremos nós ficção ou auto-biografia?